sexta-feira, 29 de março de 2013

Flecha lançada

Por tantos passastes despercebida
Lá no bar da Nazaré
Em meio a samba e sorrisos suados
Meu olhar nos teus se atordoaram

Becos por onde tanto andei
Donde lembrei, me desandei
Perdida na lembrança do olhar que não decifrei
Os olhos que pensei não ver mais

O beco que me trouxe o rosa resplandecente
A tornar bobo e extasiado meu olhar

O olhar apaixonado que não olha, apenas
Contempla e se deleita
Com tão misterioso e doce olhar.


sábado, 16 de março de 2013

Ventania


De onde sopram os bons augúrios
Senão de minhas eternas paixões
Quantos corações se partem,
Sem que ninguém veja
Quanto tempo acelerado
Na calmaria dos dias encontro
Que me dizia o desafiador olhar
Oh tempo me aperfeiçoa!
Para que meus olhos nunca deixem de ver com poesia
O fantástico movimento da Vida com que me presenteias
Benditas sejam as palavras de carinho
E até a dor do poeta que só em tão vulnerável estado
É capaz de produzir as poesias mais belas
Benditas vossas quedas e a novidade do despertar
Juntemos  nossos corações ao do criador
Semeemos sua mais singela lição.
Amar ao próximo ou a quem quer que seja
Nunca será em vão