quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Valor

Onde brilha minha aurora
Ali renascem sonhos diariamente
Saudosa na vida em movimento
Me respiro!

Sou eu sem disfarces
Objeto contrário da ingrata busca
Entregue à solidão fluída, farta de luzes e cores
No peito esperanças, amigo, amores

Viver sem ter graça
Lambuzar-se da beleza da vida
Apaziguar a dor
Doando-se na vida e no amor



segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Encanto potiguar

Ah linda Natal, tuas brancas dunas em céu azul e verdes mares
me encantam de belezas naturais e humanas
Teus Ipês roxos a florescerem na primavera
Enchem de suspiros os olhares sensíveis

Tua brisa leve em natureza e cultura exuberantes
Inspiram levemente os que de encantos
Se aventuram e se derretem nas tuas
Terras quentes potiguares


segunda-feira, 5 de agosto de 2013

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Luminosidade


Relatos do meu passado
Costumavam bendizer

Se veres uma estrela nascer e ela for só no céu
Faz-lhe um pedido

Só não cometa a tolice
De desejar-lhe um alguém

Pessoas brilham como estrelas
No coração de quem as tem

O futuro pertence a Deus
O que aumenta o brilho é o desejo

Desejo de mudar o mundo
Mudando a si mesmo

Esperando o desejo contemplado
De tantos sonhos, um fato consumado

O que pedes já é teu direito
Abençoado seja o Brasil inteiro

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Rasante

Quisera ser pássaro
Dar oi ao bem te vi
Sentir e voar
A brisa fresca do mar
Planar sem destino
Sob a imensiadão azul do céu
Perder-se no céu de um olhar
Quisera ser pássaro para encontrar
O doce do olhar que anseio ver


sábado, 15 de junho de 2013

dentro

Perder-se para amar-se
Amar-se para amar
Sonhar para viver
Rezar para proteger-se
Viver para realizar-se
Transcender-se para conhecer-se
Num Paraíso surpreendente


sábado, 4 de maio de 2013

Avesso

O inesperado esperado. A não-atitude ação.A fuga do que se deseja.A falta de sentido.O fim dos dias.O início-fim da visão da dama rosa.O avesso do encontro. A auto indignação. O abuso da sorte. A felicidade tristeza da presença ignorada contra a própria vontade. O minuto mais burro da curva errada.


sexta-feira, 19 de abril de 2013

Porque me sorristes

Porque me sorristes
Já não durmo sem pensar-te
Já não penso sem querer-te
Já não quero esquecer-te

Porque me sorristes
E o nome não sei-te
Olhou me deslumbrante
Timida a fitar-te

Porque me sorristes
Tenho ainda esperança
De encontrar-te em andanças
Ansiosa por retribuir-te

Porque me sorristes
Já me cativastes
Boba inocente
Saudosa a reparar-te

A graça do teu riso triste
Somente porque me sorristes
Sem te ver sou Charles Chaplin triste






sexta-feira, 29 de março de 2013

Flecha lançada

Por tantos passastes despercebida
Lá no bar da Nazaré
Em meio a samba e sorrisos suados
Meu olhar nos teus se atordoaram

Becos por onde tanto andei
Donde lembrei, me desandei
Perdida na lembrança do olhar que não decifrei
Os olhos que pensei não ver mais

O beco que me trouxe o rosa resplandecente
A tornar bobo e extasiado meu olhar

O olhar apaixonado que não olha, apenas
Contempla e se deleita
Com tão misterioso e doce olhar.


sábado, 16 de março de 2013

Ventania


De onde sopram os bons augúrios
Senão de minhas eternas paixões
Quantos corações se partem,
Sem que ninguém veja
Quanto tempo acelerado
Na calmaria dos dias encontro
Que me dizia o desafiador olhar
Oh tempo me aperfeiçoa!
Para que meus olhos nunca deixem de ver com poesia
O fantástico movimento da Vida com que me presenteias
Benditas sejam as palavras de carinho
E até a dor do poeta que só em tão vulnerável estado
É capaz de produzir as poesias mais belas
Benditas vossas quedas e a novidade do despertar
Juntemos  nossos corações ao do criador
Semeemos sua mais singela lição.
Amar ao próximo ou a quem quer que seja
Nunca será em vão