terça-feira, 12 de abril de 2011

satisfação


Não caibo em mim
Sou toda satisfação
Traduzida em cada poro,
Do meu pequenino corpo moreno
Da amarga ilusão
Fez-se doce a esperança
E do pobre e angustiado coração
Fez-se o sorriso bobo,
Espontâneo e sem razão.
Viver já não dói
E a chuva lá fora
Aconchega o coração
Cansado de tanto
Sentimento vão.

Um comentário:

toda ouvidos