quarta-feira, 9 de junho de 2010

Identifico-me

Entre a janela e a porta de minh'alma
vejo um espaço inexistente,
vejo um buraco sem tamanho,
vejo a inocência que nunca tive.

Entre os becos escuros de minha mente
vejo tudo que se parte facilmente,
vejo tudo que é difícil de compreender.
vejo eu, vejo você e todas as vozes a me sussurrar.

Pois entre a minha vida e a sua não há espaços
nem lugares que não possamos explorar,
nem término de tudo o que sempre iremos recomeçar.

(Estranhos, Ana Apolinário)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

toda ouvidos