sexta-feira, 21 de maio de 2010

O sorriso do palhaço


Não é o amor, que brilha nos olhos do palhaço

E não é de felicidade o seu sorriso

É uma tristeza serena, guardada em seu peito

A beleza nascida da melancolia

O vazio que produz o suspiro

A serenidade guardada

numa saudade escondida

Trancafiada a sete chaves

No coração bobo e brincalhão

Do palhaço que faz sorrir

Pra conter as lágrimas

Que insistem em querer cair

Porque a alegria por si só

Não inspira tanto a criação

Quanto a tristeza do seu coração.


“O dia mente a cor da noite

E o diamante a cor dos olhos

Os olhos mentem dia e noite a dor da gente”


(O Anjo mais velho, O Teatro Mágico; Composição: Fernando Anitelli)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

toda ouvidos