segunda-feira, 29 de março de 2010

dose



A saudade é como um suspiro
Que te deixa sem ar
Ás vezes dói,as vezes alivia
Mas faz morada e se acumula
Ela é um deserto de melancolia
Um riso sem graça,
em meio ao choro intenso.
Ela é o sinal,
de que sim houve alegria,
Ela é a sobra,
de um momento que não volta mais,
mas continua a viver
dentro de nós.
Me embriago de saudades.

sábado, 27 de março de 2010

Palavras deixadas


Se fiquei esperando meu amor passar
Ainda é cedo
Mais uma vez
Mais do mesmo
Há tempos
O mundo anda tão complicado
Índios
Longe do meu lado
Meninos e meninas
Mudaram as estações
Pais e filhos
Perdidos no espaço
Teatro dos vampiros
Metal contra as nuvens
Daniel na cova dos leões
Quase sem querer
Quando o sol bater na janela do teu quarto
Mais uma vez
Eduardo e Mônica
Esperando por mim
Por enquanto
A Tempestade
Sete cidades
Soldados
Geração coca cola
Ainda é cedo
Vamos fazer um filme
Vinte e nove
Só por hoje
Andrea Doria
Meninos e meninas
Será
Um dia perfeito
Eu sei

quarta-feira, 24 de março de 2010

Inocência interrompida


Menina mocinha e meiga
Filha carinhosa e companheira
Irmã responsável e observadora
Criança cheia de vida
Vida breve e reveladora
Missão cumprida na vida levada
Retrato da brutalidade humana
Retrato do limite de um sentimento
aparentemente banal
Ciúme absurdo levado
às últimas consequências
Comoção nacional e dor
de uma jovem mãe desconsolada
que encontra no amor à filha
as forças pra continuar.

(escrito em 11/05/2008)

terça-feira, 16 de março de 2010

resquícios de luta

Não basta que seja pura e justa a nossa causa.
É necessário que a pureza e a justiça existam dentro de nós.

Dos que vieram e conosco se aliaram
Muitos traziam sombras no olhar
e intenções estranhas.

Para alguns deles a razão da luta
Era só ódio: um ódio antigo
Centrado e surdo
Como uma lança

Para alguns outros era uma bolsa
Bolsa vazia (queriam enchê-la)
Queriam enche-la com coisas sujas
Inconfessáveis.

Outros viemos.
Lutar para nós é ver aquilo
Que o Povo quer realizado.

É ter a terra onde nascemos.
É sermos livres pra trabalhar.
É ter para nós o que criamos
Lutar para nós é um destino –
É uma ponte entre a descrença
E a certeza do mundo novo.

Na mesma barca nos encontramos.
Todos concordam – vamos lutar.

Lutar pra quê?
Pra dar vazão ao ódio antigo?
Ou pra ganharmos a liberdade
E ter pra nós o que criamos?

Na mesma barca nos encontramos
Quem há de ser o timoneiro?
Ah as tramas que eles teceram!
Ah as lutas que aí travamos!

Mantivemos-nos firmes:no povo
Buscáramos a força
E a razão.

Inexoravelmente
Como uma onda que ninguém trava
Vencemos.
O Povo tomou a direção da barca.

Mas a lição está, foi aprendida:
Não basta que seja pura e justa
A nossa causa.
É necessário que a pureza e a justiça
Existam dentro de nós.

(Do povo buscamos a força - Antônio Agostinho Neto,poeta angolano)

domingo, 14 de março de 2010

day


Mais um dia nasceu

E fora-lhe declarado por algum decreto

És o dia da poesia,

Nesse dia a praia é cor de rosa,

E exibe o exótico arco-íris

Seus amigos falam como por boca de plumas

A poesia traduz todo teu bem querer

As pessoas amam mais, se tocam mais

Se abrem e expressam sem querer

O desejo guardado,

O beijo é mais próximo e a mão escorrega

Bem vindo ao dia

Nacional da poesia.

sábado, 13 de março de 2010

cumplicidade

Tinham tanto a aprender,
tanto a ensinar um ao outro
E seguiam seus dias assim,
trocando gargalhadas,confidências,
sorrisos, fraquezas,opiniões
Eram tão imperfeitos,
na perfeição da juventude
Eram tão conhecidos,embora só há pouco
houvessem se conhecido melhor,
fracos,frágeis,sensíveis
cúmplices nos erros e acertos,
aprendizes da arte de serem amigos.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Sobre o tempo


Quando se trabalha ele simplesmente passa,

Quando se estuda ele simplesmente voa,

Mas quando se enamora ele simplesmente pára

E se transforma em eternidade.

Sempre bom pra quem tem,

Sempre ruim pra quem espera,

E sempre insuficiente pra quem se joga.

Profetas anunciam o fim,

E o sol a consumir

Anuncia a proximidade,

O tempo é o que ainda temos,

Antes da eterna ausência.


pic: "A persistência da memória", Salvador Dalí, 1931.

domingo, 7 de março de 2010

Murmúrio


Meninas mesmo mudas,

Manhosas,molecas,miúdas

Metidas,maravilhosas,

Mágicas,memoráveis

Multifacetadas,marrentas,

Malvadas,maliciosas

Manuseiam mundos

Mamam, massageiam

Mantém meninos maridos,

Machucam-se,melhoram

Maduras,magistratas

Magnatas,magricelas,malhadas

Mais-que –perfeitas

Malabaristas,malandras

Majestosas majestades,

Malevolentes,maquiavélicas

Margaridas,marquesas

Mártires,materialistas

Máximas,medrosas

Meigas,Melancólicas

Metódicas,metade

Metamorfoses,Milagreiras, militantes

Maioria,mandonas,

Misericordiosas, modernas

Moralistas,meras mortais

Musicais,mútuas

Mães,meninas,mademoiselles

Magníficas Mulheres.

sábado, 6 de março de 2010

maybe

Is there a peace in my heart
Feel him so soft inside me

I can’t explain but it is so good
So many feelings living in me

Make me feel so sweet,
So vunerable, so argh

Maybe a phase,
maybe the right time
Maybe the right persons,
Maybe the wrong,

I feel like flying
All the time,
Living in a world
Created by my mind.

Loving me for feeling just ALIVE
Oh my God I think in love all the time.

segunda-feira, 1 de março de 2010

sob a lua

A lua vem me dizer
da saudade que um dia eu tive...
Sua luz refletida no mar
Me mostra o incrível poder
Do meu momento presente
O que fui é parte
de tudo que sou,
e ainda vou ser,
o que me esquenta o coração
é essa alegria mansa
que se renova todos os dias
enriquecida sempre
pelas boas companhias,
que me tiram o riso
sincero e fácil.