sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Complexidade

Meus desejos diários me consomem
E eu canso de pensar
Minhas músicas prediletas
São o alimento da minha alma sedenta
Busco razões e aprendo a lidar
Com esses monstros interiores
Da complexidade do meu ser imaginário
Canso de tentar entender o mundo
as pessoas e meu próprio vazio
Aprendo a desfrutar o gosto doce
De cada minuto,
Sem excesso de apego,
Sigo conselhos de relaxar,
Levar a vida de um jeito descontraído,
Deixar fluir e parar de contar as horas,
Do próximo encontro que me deixa sem fôlego,
e de pernas bambas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

toda ouvidos