quarta-feira, 10 de junho de 2009

Marinete


Ela é imensamente carente, explícita até demais em sua alegria, chega a tremer de felicidade, adora um carinho, do tipo que coloca a cabeça nas minhas mãos e se abre toda, mas também adora morder, correr feito uma louca e fazer uma cara de humilde que se iguala a uma atriz, sim ela é uma artista quando quer convencer-nos de algo, geralmente para ficar dentro de casa no aconchego da família. Ela é a minha filha branca e louca, se alguém me vir por ai com ela saberá o que digo, ultimamente tem andando mais afoita ao ver os de sua espécie de sexo oposto, ela parece decorar o lugar onde eles estão pois já fica afoita só em passar por perto, deve estar passando da fase infantil para a adolescência, aquela famosa fase das descobertas. Ela que não entende meus pensamentos, se faz presente em meu cigarette break sempre querendo brincar e nem sempre me encontra paciente,mas ela é do tipo insistente, faço uma queixada sob sua cabeça e ela dá uma rodada rápida mostrando seu refinado reflexo, mas quando tento jogar capoeira com ela não dá certo minha perna vai pra um lado ela vai pra outro chego a quase machucá-la. Converso com ela e ela me olha como se compreendesse, confesso-lhe meus mais íntimos segredos e compartilho com ela minhas euforias de fins de semana. Minha segunda companheira de confidencias depois de minha irmã. E eu que era amante dos felinos aprendi a me afeiçoar a essa cadelinha maluquete que é a minha Marinete.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

toda ouvidos